Helder Correia

Direção Tesoureiro

Sou consultor e programador informático, natural de São Miguel onde resido atualmente.

Um dia comecei a ler um livro de um médico com conselhos de saúde. Até aí eu gostava de carne, apesar de achar ser um mal necessário. No entanto, comecei a ler nesse livro um capítulo sobre o facto que o ser humano não é omnívoro. Todos os argumentos fizeram sentido e tive uma epifania que me fez mudar a minha percepção das coisas. Nesse dia tornei-me vegetariano estrito. Só mais tarde vim a descobrir a realidade da forma como os animais são explorados para consumo humano e decidi ser vegano.

A minha bússola é o amor, compaixão e respeito incondicionais. A minha definição de respeito é ter consideração imparcial e objetiva dos direitos, valores e crenças de outro. São incondicionais porque não dependem de nenhuma condição. Tenho respeito pelo touro e pelo toureiro, mas considero um ato de maior compaixão abolir as touradas do que permitir satisfazer os aficionados, por vários motivos que para mim são óbvios.

Não sou misantropo, sou o oposto. Acredito no ser Humano e no nosso potencial. Tornei-me vegano porque acredito que temos o dever e a responsabilidade de ser guardiões deste planeta, livres de especismo, onde extendemos aos outros seres o nosso direito à vida e à liberdade. Como um pai para o seu filho, devemos cuidar e proteger os animais. O nosso cérebro dá-nos a capacidade de melhorar o mundo à nossa volta. Mesmo que alguns só reparem nas más ações, eu não deixo de ver as boas.

Este mundo precisa de mais luz, portanto sejamos como um farol. Na tempestade e na escuridão, é nos tempos difíceis que o farol tem a maior utilidade. A de levar um barco a bom porto.

Acredito que estamos a assistir às dores de parto de uma nova consciência que está a nascer.